• sac@festivaljpa.com.br
  • +55 (83) 3245-6856

Blog

Notícias e Novidades

Turismo em Foco - Rota em galerias de artes divulga obras e artistas da Paraíba

A arte com quem faz a arte. A Rota dos Ateliês de João Pessoa, um novo roteiro turístico que está sendo amadurecido em João Pessoa pelo Sebrae da Paraíba, ampliará as opções de atrativos da capital paraibana e, acima de tudo, possibilitará com que as pessoas conheçam não apenas as obras e tenham contato diretor com o artista.

A Rota será um dos destaques que o Sebrae deverá apresentar no Festival do Turismo de João Pessoa, que será realizado no Centro de Convenções em outubro próximo. A informação é da gestora de Turismo do Sebrae, Regina Amorim. O roteiro conta com a participação de 12 ateliês e duas galerias de artes.

Para conhecer e vivenciar a experiência da rota, a reportagem visitou neste sábado (13) cinco ateliês e duas galerias de arte a convite do Sebrae. Claro que é impensável para um turista visitar todos em um dia só, então, ele terá que optar por visitar pelo menos três no período da manhã ou da tarde.

Durante a visita, que levou o dia todo, percebemos que a Rota dos Ateliês ainda precisa ser amarrada com as agências de viagens. Dificilmente ela andará com as próprias pernas, porque não existe um esquema de divulgação nos principais meios de comunicação direta com os turistas ou mesmo com os moradores da cidade.

A Rota será divulgada nas redes sociais e alguns dos artistas plásticos inseridos no roteiro devem estimular as visitas, aliás, a maioria disse que já tem recebido grupos de turistas e até de estudantes das escolas públicas e privadas, assim como das universidades.

Após o encerramento das visitas, apontamos alguns detalhes que devem ser discutidos para aperfeiçoamento do roteiro. Metade dos ateliês e galerias fica na orla marítima, o que facilitaria um roteiro mais rápido se o turista optar por conhecer mais de dois artistas. Dificilmente seria formatado um roteiro com mais de dois ateliês com um deles fora dessa rota. A outra metade está espalhada em quatro bairros diferentes.

Os artistas plásticos estão preparados para atender os turistas. Todos são bastante comunicativos e têm conhecimento profundo das artes plásticas. Informam a todos de forma bastante didática e os espaços são relativamente apropriados para receber grupos de até 20 pessoas.

Para visitar os ateliês, é necessário agendamento, pois alguns artistas plásticos, pelo que nos passaram, não ficam nesses ambientes o tempo todo. Outros preferem, inclusive, receber visitas à tarde e outros se preocupam com a frequência das visitas, pois não podem estar parados para atender ao público, caso contrário não trabalham.

Não se comentou sobre valores das obras. Mas, segundo o artista plástico Rodrigues Lima, o metro quadro de uma obra gira em torno de R$ 5 mil. Das galerias de arte e ateliês visitadas no sábado, os preços variavam muito. Há obras que custam de R$ 20, R$ 7 mil e até R$ 1,5 milhão.

Na avaliação dos artistas plásticos, a iniciativa da Rota dos Ateliês é importante no sentido de dar maior visibilidade aos protagonistas e suas obras. No entanto, como afirmou Chico Ferreira, somente a boa vontade não levará o projeto à frente. “Já tentamos isso há mais de 20 anos e não deu certo, porque os artistas plásticos preferem ficar isolados uns dos outros”.

A artista plástica Jô Cortez, da Galeria Louro e Canela, citou algo parecido sobre o relacionamento dos artistas. Na visão dela, eles não interagem com as galerias de artes. Segundo ela, muitos deixam suas obras para serem vendidas e nunca as visitam para, pelo menos, explicar ao público o que representa a sua arte.

A proposta dessa interação, segundo Jô, pode ser fortalecida com a Rota dos Ateliês, mas, conforme a opinião da maioria, é necessária uma política que incentive o conhecimento das artes paraibanas nas escolas públicas e privadas e que sejam abertos espaços públicos para que essas obras sejam vistas pela população.

Na galeria Louro e Canela, segundo Jonas Lourenço e Jô - casal e donos da galeria -, um turista português comprou uma tela que custou R$ 3 mil durante uma visita. Ele quis levar para a cidade algo que representasse a sua vinda ao Brasil. Esse turista, segundo Jonas, era um taxista. “O brasileiro não gosta de arte, porque não aprende a gostar desde criança”, lamentou.

Se o brasileiro não gosta de arte, então como fazer para que ele visite os ateliês e galerias? Para Rodrigues Lima, as pessoas, de certa forma, gostam das artes e cada um tem uma preferência de estilo e conceitos. Em seu atelier, há muitas obras que retratam a cidade de João Pessoa, entre elas com o Centro Histórico em decadência.

Ele reconheceu que ele diálogo com os turistas pode não ser positivo, mas disse que o artista plástico tem um papel social e sensibilidade mais aguçada para retratar a realidade. “Não podemos expor apenas quadros para vender e agradar os turistas. Não podemos ser incoerentes com nós mesmos. Temos que contribuir para chamar a atenção das autoridades para o que está acontecendo, por exemplo, no Centro Histórico”.

Durante as visitas aos ateliês e galerias de arte, os visitantes poderão conhecer obras de arte valiosíssimas, com as do artista Miguel dos Santos; o estilo do premiado Clóvis Júnior, que conquistou até um prêmio da ONU; e o trabalho social de Elioenai Gomes, que acolhe crianças carentes do Varadouro, cidade baixa de João Pessoa.

Para Miguel dos Santos, a Rota dos Ateliês é importante, mas ele destacou que “é grava a causa cultural brasileira”, e que não há respeito às obras. Na opinião dele, há uma grande desvalorização da arte no país” e, sem espaços para divulgação, “não tem o que gostar”.

A Rota não teria a pretensão de mudar algumas verdades e realidades, mas pode permitir algumas reflexões e iniciar uma nova retomada que valorize os artistas e suas obras, que insistem em ser ignoradas pela maioria da população. Ao visitar e até nem consumir, as pessoas poderão ao menos descobrir um mundo que não pode mais ficar entre quatro paredes. Rota dos Ateliês de João Pessoa:

Ateliê Rodrigues Lima
Rua Silvino Chaves, 964 - Manaíra
Contato: 9.8846.3687

Ateliê Clóvis Junior
Rua Marechal Hermes, 959 - Bessa
Contato: 9.9332.3810 Galeria Louro & Canela (Jô Cortez e Jonas Lourenço)
Avenida João Maurício, 1443, Manaíra
Contato - 9.9342.4023 9.8770.5596

Galeria Gamela (Roseli Garcia)
Av. Nossa Senhora navegantes - 756 - Tambaú
Contato: 9.9962.7969

Ateliê Chico Ferreira
Rua Barechal Manoel Pereira Diniz - 412, Cidade Universitária
Contato: 3235.4897

Ateliê Miguel dos Santos
Av. Nossa Senhora Navegantes, 429 - Tambaú
Contato: 9.8744.5474

Ateliê Multicultural Elioenai
Ladeira da Borborema, Varadouro
Contato: 9.8638.6811

Ateliê do Guaraiguazi (Lima Tavares)
Rua José Real, José Américo
Contato: 9.8854.9752

Ateliê J. Maciel Esculturas
Praça São Pedro Gonçalves, Varadouro
Contato: 9.8214.8200 - 3221.5982

Ateliê Baba Santana
Rua Francisco Eduardo Rolim, Mangabeira 4
Contato: 9.8169714

Ateliê Gina Dantas (Virgínia Dantas)
Contato: 9.9695.5860 - 9.9122.0918

Ateliê Mirabeau
Rua Professor Renato Carneiro da Cunha, 378, Jaguaribe
Contato: 9.9988.9037

Ateliê Chico Dantas
Rua dos Milagres, 2031, Cristo Redentor
Contato: 9.8680.3713 - 3231.2906

Ateliê Tito Silva
Rua Major Junqueira Viana, 152, Castelo Branco
Contato: 9.8869.6494 - 3021.5312


http://www.turismoemfoco.com.br/noticia/26959-rota-em-galerias-de-artes-divulga-obras-e-artistas-da-paraiba.html

\n\n